Notícias com a categoria "estilo"

25/09/2017 08:13

No Brasil, 45% da população ainda não têm acesso a serviço adequado de esgoto

No Brasil, 45% da população ainda não têm acesso a serviço adequado de esgoto. O dado consta no Atlas Esgotos: Despoluição de Bacias Hidrográficas divulgado pela Agência Nacional de Águas (ANA) e pelo Ministério das Cidades.

O estudo traz informações sobre os serviços de esgotamento sanitário no país, com foco na proteção dos recursos hídricos, no uso sustentável para diluição de efluentes e na melhor estratégia para universalização desses serviços.

O Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) considera como atendimento adequado de esgoto sanitário o uso de fossa séptica ou rede de coleta e tratamento de esgoto. Dentro desse critério, 55% dos brasileiros dispõem do serviço adequado.

A publicação aponta que 43% são atendidos por sistema coletivo (rede coletora e estação de tratamento de esgotos); 12%, por fossa séptica (solução individual); 18% têm o esgoto coletado, mas não é tratado; e 27% não têm qualquer atendimento.

Foram realizadas avaliações em cada um dos 5.570 municípios do país, sempre considerando as diversidades regionais e a abordagem por bacia hidrográfica. No estudo, são consideradas exclusivamente as residências urbanas e não foi avaliada a prestação do serviço na área rural.

O documento divide o país em 12 regiões hidrográficas: Amazônica, Tocantins-Araguaia, Atlântico Nordeste Ocidental, Parnaíba, Atlântico Nordeste Oriental, São Francisco, Atlântico Leste, Atlântico Sudeste, Atlântico Sul, Uruguai, Paraná e Paraguai.

Investimentos

De acordo com o Atlas Esgotos, a universalização do esgotamento sanitário na área urbana do país necessitaria de R$ 150 bilhões em investimento, tendo como horizonte o ano de 2035. Cerca de 50% dos municípios, que precisam de serviço de tratamento convencional de esgoto, demandam 28% do valor estimado. Já 70 dos 100 municípios mais populosos requerem solução complementar ou conjunta e concentram 25% do total de investimento.

Os custos com coleta e com tratamento variam conforme a região, sendo maiores no Norte e menores no Sudeste. Para o Brasil como um todo, os gastos com coleta representam 2,7 vezes mais do que os previstos em tratamento. (mais…)

14/08/2017 10:15

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Duração de licença-paternidade reforça desigualdade na criação dos filhos

A imagem de um pai participativo ainda causa estranhamento na sociedade brasileira. Homens que cuidam da casa, dos filhos e dos interesses particulares chegam, muitas vezes, a ganhar espaço na mídia como exemplos por desenvolver tarefas que, em geral, fazem parte da rotina das mulheres. O desempenho desses papeis faz parte da cultura e está, inclusive, nas leis. Uma das regras que expressam essa diferença é a licença-paternidade. Enquanto as mães com carteira assinada têm entre quatro e seis meses garantidos para se dedicar à criação dos filhos, a maior parte dos pais na mesma situação de emprego conta com apenas cinco dias.

“Já é um recado de que quem tem que cuidar é a mãe. Isso faz com que a maioria das famílias já se configure a partir disso e não questione essa desigualdade, inclusive porque, muitas vezes, elas não têm capacidade, até financeira, de fazer diferente”, diz Roger Pires, jornalista, realizador audiovisual e pai de Lourenço, de 1 ano. Participante do Movimento Paterno, grupo que reúne pais em Fortaleza, ele lançou, neste Dia dos Pais, o curta 5 dias é pouco, feito para reivindicar o aumento da licença-paternidade no Brasil. O grupo considera que o tempo maior de afastamento do trabalho é um direito do pai, dos bebês e das mães.

De acordo com a Constituição Federal, o prazo da licença-paternidade é de cinco dias. Antes da aprovação da Carta Magna, valia o disposto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que desde 1967 inclui no rol dos direitos trabalhistas a possibilidade de o empregado não comparecer ao trabalho, sem prejuízo do salário, por um dia, em caso de nascimento de filho.

A defesa da divisão igualitária da tarefa de cuidar de uma criança levou a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM) a propor o compartilhamento da licença-maternidade entre pai e mãe, com a divisão dos dias de afastamento. A proposta de emenda à Constituição (PEC) 16/2017 altera o Artigo 10 do Ato das Disposições Constitucionais e Transitórias da Constituição Federal para incluir a possibilidade de a licença ser exercida em “dias correspondentes aos da licença-maternidade, quando a fruição desta licença poderá ser exercida em conjunto pela mãe e pelo pai, em períodos alternados, na forma por eles decidida”.

A PEC foi remetida à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado e, desde abril, aguarda a designação de um relator. A proposta busca refletir mudanças no mundo do trabalho, destacadamente a maior participação das mulheres no mercado, e tem como base a experiência de diversos países. Segundo os argumentos da PEC, o compartilhamento da licença é adotada, por exemplo, na Noruega, na Suécia, na Finlândia e na Espanha.

Servidores públicos

A luta pela ampliação da licença-paternidade tem causado alterações normativas. Desde maio de 2016, servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais passaram a contar com mais 15 dias de licença, além dos cinco assegurados pela Constituição Federal. A regra vale, inclusive, para quem adotar ou obtiver guarda judicial de criança de 0 a 12 anos incompletos.

Com a mudança em nível federal e a mobilização de pais e mães, diversos estados têm ampliado a discussão sobre esse direito. No Distrito Federal, o governo estabeleceu o Programa de Prorrogação da Licença-Paternidade também no ano passado, estabelecendo que os servidores públicos têm direito a 30 dias de licença-paternidade.

No Rio de Janeiro, uma emenda constitucional aprovada pelo Legislativo em 2015 ampliou o afastamento de pais servidores do estado para o prazo de 30 dias. O mesmo período foi aprovado pela Assembleia Legislativa do Ceará, para o caso de servidores civis e militares, na forma de indicação. Para virar lei, é preciso que o governo estadual elabore e os deputados aprovem projeto de lei acatando a indicação. Já em Minas Gerais, funcionários do Legislativo têm até 15 dias de licença. Em Mato Grosso do Sul, servidores do Tribunal de Justiça têm 20 dias.

Iniciativa privada

Com a aprovação do Marco Legal da Primeira Infância, em marco de 2016, foi alterada a lei que criou o Programa Empresa Cidadã, inicialmente voltado para estimular a adoção de licença-maternidade de seis meses por parte da iniciativa privada. Com o marco, trabalhadores de empresas que façam adesão ao programa passaram a ter 20 dias de licença, a exemplo do que ocorre com os servidores. Em troca, a companhia tem isenção de impostos.

Para usufruir desses direitos, os pais devem requerer a ampliação em até dois dias úteis após o parto e comprovar participação em programa ou atividade de orientação sobre paternidade responsável. Essa participação foi objeto de nota técnica do Ministério da Saúde, lançada no início deste mês. Nela, o órgão sugere que a realização do pré-natal do parceiro, a participação nas atividades educativas durante o pré-natal e/ou visitas à maternidade sejam consideradas atividades de orientação sobre paternidade. Do mesmo modo, a comprovação poderá ocorrer por meio da participação no curso online  Pai presente: cuidado e compromisso, que é gratuito.

“Exercer o direito à licença-paternidade e apoiar a parceira são muito importantes para o sucesso do aleitamento materno, para compartilhar entre o casal os prazeres e os afazeres relacionados à chegada do bebê e para gerar vínculos afetivos saudáveis e maior qualidade de vida para todos. A participação do pai no pré-natal e nos cuidados com a criança após o nascimento também pode contribuir para diminuir a violência na família e o abandono do lar”, destaca a nota.

Tanto no caso dos servidores quanto das pessoas que trabalham na iniciativa privada, os pais têm o direito de receber remuneração integral, ao longo da licença. Eles ficam proibidos de exercer atividade remunerada. O desafio, agora, é ampliar o conhecimento sobre esse direito e a adesão das empresas ao programa.

Profissionais autônomos

A experiência de criação de Lourenço, ao lado da companheira, a assistente social Samya Magalhães, e a participação no grupo Movimento Paterno mostrou para Roger que mesmo os 30 dias são poucos para uma divisão efetiva da tarefa do cuidado, para a adaptação à nova vida e mesmo para o acompanhamento de uma fase muito delicada, o puerpério, quando o corpo da mulher passa por intensas transformações. “Trinta dias não cobrem sequer o resguardo”, afirma.

Como autônomo, o rendimento depende da produção, por isso foi preciso adaptar a rotina de trabalho do Coletivo Nigéria, do qual participa. Enquanto os outros integrantes do grupo se dedicavam às atividades externas, ele se dedicou à elaboração de projetos e outras tarefas que podiam ser feitas de casa, muitas vezes na madrugada.

“A licença-paternidade é para quem tem Carteira de Trabalho. Para muito pai autônomo é pior ainda, porque a pessoa deixa de trabalhar e de ganhar. Seria legal uma renda mensal, básica, para que essa pessoa pudesse deixar de trabalhar mesmo”, defende. Para ele, “se a sociedade tivesse o cuidado de esperar um pouco o primeiro ano, os primeiros meses, a gente teria pais e mães apoiados, bebês mais cuidados, com mais saúde, e isso iria se refletir em toda a sociedade”.

Agência Brasil

02/08/2017 10:14

Agosto Lilás conscientiza a população sobre os tipos de violência doméstica

Governo do Estado, através da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres lançou nesta terça-feira (25) “Agosto Lilás” durante evento para imprensa e convidados. Criado pela Lei Ordinária nº10.066, de maio de 2016,  que instituiu no calendário oficial do Rio Grande do Norte este como sendo o mês de proteção a mulher. Durante 30 dias serão desenvolvidas ações diversas para conscientizar a população sobre os tipos de violência doméstica, os direitos das mulheres e, sobretudo, divulgar que “violência contra a mulher não tem desculpa, tem conseqüências”. Entidades, órgãos e instituições públicas e privadas promoverão  eventos com a temática.

A programação tem início dia 1. de Agosto com a iluminação em Lilás de prédios, pontes e viaduto. Seguem-se palestras em fábricas e shopping, os debates, as audiências e sessões nas casas legislativas, a participação de escolas públicas e privadas (Neves, Marissa e CEI), as blitz junto com o DETRAN e a distribuição de material educativo em vários pontos da cidade. Ação junto com CBTU, MPF, Defensoria Pública e Tribunal de Justiça, também estão previstas, assim como um dia de atendimento exclusivo para mulheres na Central do Cidadão para emissão de documentos.

“As ações serão desenvolvidas para que as mulheres se reconhecem juntas como sujeitos de direitos, serve para a criação de uma nova cultura, de uma nova realidade  que estabeleça a igualdade de tratamento e de poder entre homens e mulheres, igualdade essa que requer também a adoção de políticas públicas eficazes à transformação social”, explicou Flavia Lisboa, titular da SPM.

Participaram do lançamento do Agosto Lilás o comandante geral da PM, André Azevedo; o Comandate do Corpo de Bombeiros, Sócrates Mendonça Júnior; a secretaria de Segurança Pública, Scheila Freitas; a deputada Cristiane DANTAS, as vereadoras Júlia Arruda e Carla Dickson, o juiz Deyvis Marques, da Coordenadoria da Mulher em situação de violência doméstica e familiar, dentre outras autoridades. O evento contou com a apresentação do monólogo “Sangue”, executado pela sub-tenente da PM, Célia Melo. Vale ressaltar que só três estados do Brasil promovem o Agosto como o mês de proteção da Mulher, além do RN, só Pernambuco e Mato Grosso do Sul.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA AQUI

10/07/2017 15:41

Como combinar pizza e cerveja

Pizza é comida italiana. Tem massa. Logo, come-se com vinho, certo? Sim, também, mas por que não com uma cerveja? As duas estão entre os alimentos mais descontraídos do mundo, relacionadas a momentos relaxados, como a happy hour, e podem ser consumidas sem muitos regramentos. Que tal aproveitá-las juntos?

Algumas dicas podem ajudar. Primeiro, é preciso pensar no sabor do recheio da pizza para tentar encontrar uma cerveja que case melhor. Também é indicado que se procure levar a potência dos sabores em conta. Pizzas com temperos e ingredientes leves casam com cervejas mais delicadas, já os sabores mais intensos com bebidas mais potentes. Depois, pode-se lembrar das ideias básicas de harmonização, como contraste, semelhança e corte.

No contraste, Bianca explica que os sabores distintos da cerveja e da pizza devem se complementar. Uma pizza de pastrami (uma carne curada e temperada) cai bem com uma Saison, que fará corte e contraste de condimentos. Na semelhança, deve-se escolher uma bebida e recheio que tenham notas semelhantes. “Uma boa Pilsen vai bem com pizzas mais leves, de frutos do mar, frango, burrata”, exemplifica.

Uma característica de quase todas as pizzas é a gordura, e o corte ajuda nisso. Muitas cervejas podem fazer a limpeza do paladar. Cervejas mais lupuladas, alcoólicas ou carbonatadas podem ser boas escolhas.

Dicas de harmonizações:

Margherita – Um clássico, a pizza que leva molho de tomate, queijo mussarela e manjericão é leve e pede uma cerveja na mesma linha, como uma Pilsen.

Quatro queijos – Outra muito pedida, a pizza quatro queijos pode ser bastante potente e gordurosa. “Pelo corte da gordura, pode ser uma American Pale Ale. Para quem gostar de cervejas lupuladas, uma Double/Imperial IPA”.

Calabresa – A calabresa pode ter gordura e ser mais condimentada. Uma IPA, mais lupulada, pode ser boa para o corte da gordura.

Frango com catupiry – Outra pizza bastante consumida, ela é leve pelo frango, mas gordurosa devido ao catupiry. Bianca sugere uma Weiss, pela semelhança com a leveza do frango, além de ter boa carbonatação.

Pepperoni – Embutido bastante condimentado, o pepperoni pode casar muito bem com uma cerveja mais intensa, como uma Double/Imperial IPA. “Vai elevar a pimenta”, explica. Mas se a pessoa preferir frear a picância, pode apostar em uma American Amber Ale ou Vienna Lager.

Bacon – Pizzas que levam bacon entre seus ingredientes podem combinar bem com cervejas que tenham torra, como as Porter.

Chocolate – A harmonização óbvia com pizzas de chocolate são cervejas como Stouts e Porters, por semelhança. Mas Bianca sugere uma Black IPA. “O leve frutado, a torra que quebra um pouco o doce e o lúpulo que corta a gordura combinam”, diz.

Doce de leite com banana – A sommelière indica uma Saison ou uma Belgian Golden Ale. Além de cortarem a gordura, devido ao álcool e a carbonatação, o frutado das cervejas combina com as notas da pizza.

G1

10/07/2017 14:27

Dores crônicas atingem 37% dos brasileiros, segundo pesquisa

A dor crônica é relatada por 37% dos brasileiros, aponta pesquisa da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Os dados desse estudo foram debatidos no 4º Congresso da Sociedade Brasileira de Médicos Intervencionistas em Dor (Sobramid), que terminou no domingo (9) em Campinas, no interior paulista. Métodos inovadores como uso de estímulos elétricos com tecnologia sem fio também estiveram na pauta do encontro, que reuniu mais de 200 profissionais especializados no tratamento deste tipo de dor que persiste por, no mínimo, três meses.

O anestesiologista Charles Amaral de Oliveira, presidente da Sobramid, aponta que a dor aguda, que ocorre de forma pontual, não deve ser negligenciada, pois é dela que se formam os casos crônicos. “A dor aguda acusa a pessoa de que algo de errado está no corpo e isso é um sinal de alerta. A dor crônica deixa de ser um sinal e passa a ser a própria doença. E ela vai levando a um desdobramento, que é estresse, ansiedade e depressão, que agravam a dor”, explica. “A dor, por sua vez, piora os quadros depressivos. Você entra nesse ciclo vicioso, que precisa ser interrompido.”

A pesquisa mostra que a faixa etária média de ocorrência da dor é 41 anos. Em relação ao sexo, as mulheres são maioria entre os relatos de dores crônicas na maior parte das regiões. Apenas na Região Nordeste este quadro se inverte: os homens representam 52% e as mulheres 42%. A intensidade da dor relatada foi maior de 6 (em uma escala 1 a 10) em todas as regiões do país. Esse nível é considerado moderado e suficiente para interferir nas atividades diárias.

O estudo foi apresentado pela primeira vez no Brasil no Sobramid. Os dados foram divulgados em um congresso no Japão em formato de pôster ciêntífico (uma ilustração resumida da pesquisa mostrada em encontros e conferências). Foram entrevistadas 919 pessoas de todas as regiões do país, respeitando a densidade demográfica e a heterogeneidade da população apontadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Além da SBED, estiveram envolvidos no trabalho as instituições Hospital Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina, Aliviar Medicina da Dor e Centro de Ensino e Treinamento Integrado de Medicina do ABC Paulista.

Inovação

Uma das técnicas de tratamento discutidas no congresso foi a neuromodulação com uso de tecnologia wireless. A estimulação elétrica para tratamento da dor já é conhecida, mas a possibilidade de não usar fios para acionar os eletrodos traz praticidade e qualidade de vida para os pacientes, segundo Oliveira. “A corrente elétrica trafega por vias de condução muito rápida e a dor vem por estradas muito lentas. Somente entende-se que é dor quando essa informação chega ao cérebro. Se a gente compete com uma corrente elétrica, colocando energia estimulando aquele nervo, ela satura a rodovia, e a dor, que vai a passos de tartaruga, não chega”, diz.

O anestesiologista explica que esse método reduz o uso de medicamentos orais, que produzem efeitos colaterais e, depois de um tempo, pode não apresentar resultados. No método convencional, o eletrodo é inserido na coluna vertebral e a bateria é fixada superficialmente no final da coluna, similar a um marcapasso. Já os impulsos pela tecnologia sem fio são emitidos por um gerador acoplado a um cinto externo, que é posicionado sobre uma pequena antena implantada no corpo dos usuários. Outra vantagem, segundo Oliveira, é que exames de ressonância magnética, comumente requeridos para esses pacientes podem ser feitos sem contraindicação.

Prevenção

O uso de celulares e tablets pode ser um fator que contribua para o aumento de dores crônicas. “A cabeça na posição ereta e vamos falar que está a 0º, ela pesa 7 quilos no adulto. A cabeça na posição de 60º, cabeça passa a pesar 27 quilos. Estamos falando de maus hábitos que a tecnologia trouxe para a população”, alertou o médico.

Práticas saudáveis, como boa alimentação e atividade física regular são medidas de prevenção para esse tipo de dor. Oliveira reforça a necessidade de procurar um profissional, quando a dor persiste. “A gente tem que não negligenciar a dor aguda. Automedicação todo mundo faz, mas não se pode fazer automedicação por um tempo prolongado. Se essa dor vai perpetuando por um tempo mais longo, é motivo de se procurar a ajuda”, apontou.

Agência Brasil

06/07/2017 10:52

Par de brincos mais caro do mundo é vendido por R$189 milhões

O par de brincos mais caro e valioso do mundo nem mesmo combina entre si, mas causou frisson ao ser exposto em um leilão em Genebra, na Suíça.

Os brincos são feitos de diamantes coloridos, a última tendência do mercado de jóias de luxo, um azul e outro rosa. O primeiro, batizado de Apolo, possui 14.54 quilates e foi vendido por 42 milhões de dólares, cerca de R$139 milhões. O outro, Artemis, tem 16 quilates e foi arrematado por 15,3 milhões de dólares (aproximadamente R$50 milhões).

Apesar de serem vendidas separadamente, as peças foram adquiridas pelo mesmo comprador, que preferiu se manter anônimo. No total, ele desembolsou 57 milhões de dólares, o equivalente a R$189 milhões.

Estadão

06/07/2017 09:53

Como aproveitar as férias gastando pouco

Confira 8 orientações para se divertir gastando pouco, válidas especialmente para famílias que não pouparam dinheiro com antecedência para as férias.

Neste período, o mais importante é descansar e aproveitar sem comprometer as finanças, segundo o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos.

“Quem não for viajar não deve ‘compensar’ com compras e passeis caros na própria região. Pelo contrário, deve procurar formas alternativas de diversão que caibam no bolso – e há muitas”, indica Domingos, que é o Doutor em Educação Financeira.

Ele orienta que é válido criar uma breve programação para as férias, considerando os desejos de todos da família, incluindo crianças e jovens.

Veja 8 dicas para se divertir gastando pouco:

1- Procure pontos de sua cidade que ofereçam entretenimento barato ou gratuito, como parques, praças, museus e pontos turísticos;

2- Se for ao cinema ou teatro, procure saber os dias e horários em que os preços são mais em conta;

3- Conheça seu padrão de vida e situação financeira e procure fazer os pagamentos à vista, dentro de suas condições atuais;

4- Em casa, com as crianças, promova semanas temáticas de filmes ou músicas. Assim todos interagem em uma iniciativa cultural;

5- Resgate brincadeiras como jogos de tabuleiro, esconde-esconde, pega-pega, corre cutia, rouba bandeira, vivo ou morto, bolinhas de sabão e pular corda;

6- Envolva os membros da família no preparo de um alimento especial ou refeição completa – tende a ser mais barato e divertido do que ir a um restaurante;

7- Converse com as crianças e jovens sobre suas expectativas para as férias, assim poderá planejar melhor esta e também a próxima, poupando dinheiro com antecedência;

8- Se decidir fazer uma viagem de última hora, pesquise as opções que cabem no bolso em regiões próximas e também promoções em sites de compras coletivas, por exemplo.

03/07/2017 10:11

Paciente com HIV mais longevo do HC-USP espera cura e vida sem remédio

Faz 28 anos que o designer, ator, professor de inglês, artesão e cantor Tomás Alexander, 61, foi diagnosticado com o HIV. Durante essas quase três décadas ele se trata no Hospital das Clínicas da USP, onde é conhecido como o paciente mais longevo -três médicos do Instituto de Infectologia Emílio Ribas confirmaram a informação, mas o hospital diz não conseguir levantar o registro. Alexander acompanhou toda a evolução do tratamento da doença, e diz que hoje espera sua cura para poder ir à praia e saber como se sentiria sem tomar nenhum remédio.

Leia seu depoimento.

Faz mais da metade da minha vida eu sou soropositivo.

Fui diagnosticado em 3 de junho de 1989, um sábado. Eu não estava sentindo nada. Só fui fazer o exame de HIV por pressão do meu primo, que é meu médico homeopata, porque queria fazer uma cirurgia e corrigir minha mandíbula. Recebi um resultado positivo quando estava absolutamente certo de que seria negativo.

Três anos antes eu tinha feito um exame que tinha dado negativo, e durante esse período tive um só companheiro. Fui fazer o primeiro exame porque tive mononucleose, toxoplasmose, fiquei com gânglios em volta do pescoço. Começaram a me investigar de cima a baixo. Não fui diagnosticado, e os sintomas passaram completamente. (mais…)

23/06/2017 14:11

Melhor amigo do noivo trava disputa com a noiva em fotos de casamento

Ver o melhor amigo casar significa se despedir de uma fase de intensa de convivência, mas o bom humor pode ajudar a superar a sensação de abandono que pode bater em uma situação como essa. Foi isso o que fez o melhor amigo e padrinho de um noivo de Ohio, nos Estados Unidos.

Brittney e Kody, da cidade de Arlington, convocaram Mitch para a sessão de fotos pré-casamento e depois para a do casamento propriamente dito. O site “Mashable” trouxe a história.

Na foto do noivado, enquanto o casal se beija, Mitch tenta participar do momento íntimo. Nas solas dos calçados de todos, mais uma brincadeira. Enquanto as dos noivos formam a frase “I do” (eu aceito, em tradução do inglês), a do padrinho “quebra o clima” com um “Don’t” (“eu não aceito”).

Para o álbum de casamento, o trio recriou a primeira imagem. Dessa vez, nos sapatos da noiva está escrito “I won” (“venci”) e na do padrinho, “Shut up” (“cale a boca”).

Do Uol

Dinarte Assunção

Biografia Dinarte Assunção é jornalista formado pela UFRN. Atuou em redações como repórter de cotidiano, economia e política. Foi comentarista político da TV Ponta Negra. Atualmente é reporter do Portal No Ar e compõe a equipe do Meio Dia RN, na 98 FM. É autor do livro Sobre Viver - Como Venci a Depressão e as Drogas. Nas horas vagas, assa panquecas.

Descrição Ponto ID é um blog para noticiar o que importa. E nada mais.