Notícias com a categoria "mundo"

29/09/2017 11:52

Papa falará sobre ‘fake news’ em mensagem do Dia das Comunicações

O papa Francisco fará um apelo à reflexão sobre as notícias falsas na mensagem pelo 52º Dia Mundial das Comunicações Sociais, que acontecerá em janeiro do ano que vem.

O Vaticano informou nesta sexta-feira o tema da mensagem será “A verdade vos tornará livres – Notícias falsas e jornalismo para a paz”. Tradicionalmente, o pontífice lança esse texto no dia 24 de janeiro, dia de São Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas.

O tema também foi confirmado no Twitter do papa.

Segundo o Vaticano, no documento ele vai tratar das “fake news”, “as informações infundadas que contribuem para gerar e alimentar uma forte polarização das opiniões”.

“No contexto em que as empresas de referência das redes sociais e o mundo das instituições e da política iniciaram a combater este fenômeno, a Igreja também quer oferecer uma contribuição, propondo uma reflexão sobre as causas, as lógicas e as consequências da desinformação na mídia e auxiliando na promoção de um jornalismo profissional, que busca sempre a verdade, e por isto um jornalismo de paz, que promova a compreensão entre as pessoas”, indicou.

 

28/09/2017 09:09

Maria se transforma de novo em furacão enquanto se afasta da costa dos EUA

O Maria se fortaleceu outra vez nessa quarta-feira (27), recuperando a intensidade de furacão, com ventos máximos constantes de 120 quilômetros por hora (km/h), enquanto se afasta da costa sudeste dos Estados Unidos, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC).

Depois de castigar, na última quarta-feira (20), como furacão de categoria 4, as regiões de Porto Rico, Dominica e as Ilhas Virgens Britânicas, Maria está agora 365 quilômetros ao leste-nordeste de Cape Hatteras, no estado da Carolina do Norte, segundo o órgão.

O furacão, que tinha se enfraquecido na noite de segunda-feira (25) e se tornado tempestade tropical, segue em direção norte-noroeste, a cerca de 11km/h.

No entanto, agora o furacão já não apresenta ameaça para regiões povoadas. Sua maior distância de áreas costeiras também permitiu que fossem desativados os alertas para partes da Carolina do Norte e da Virgínia.

Durante a passagem por Porto Rico, Maria provocou a morte de 16 pessoas, deixando um rastro de destruição pela ilha, que ainda sofre com a falta de eletricidade e problemas nas comunicações.

Os especialistas do NHC estimam que o furacão seguirá seu padrão de movimento e, ainda que mantenha ventos de 120 quilômetros por hora, poderia debilitar-se nas próximas 48 horas.

O ciclone ainda produz ressacas na costa leste dos EUA, na costa atlântica do Canadá, de Bermuda e das Bahamas, e nas Ilhas Turks e Caicos.

Agência Brasil

28/09/2017 07:28

Fundador da revista Playboy morre aos 91 anos

Hugh Hefner, o homem que criou a revista “Playboy” e a transformou em uma gigante da indústria de entretenimento, morreu nesta quarta-feira (27) aos 91 anos em sua casa, a mansão Playboy, em Los Angeles (EUA).

A informação foi dada na conta oficial da revista no Twitter.

De acordo com a Playboy Enterprises, dona da revista americana, ele morreu de causas naturais.

O homem Hefner e a marca Playboy eram indissociáveis. Ambos se propagandeavam como símbolos da revolução sexual, uma fuga do formalismo americano e de uma intolerância social mais ampla. Ambos foram ridicularizados ao longo dos anos: como vulgares, adolescentes, exploradores e, finalmente, como anacrônicos.

Mas Hugh Hefner foi um sucesso desde o início, no começo do anos 1950. O seu “timing” foi perfeito.

Comparado a Jay Gatsby (da obra de F. Scott Fitzgerald), “Cidadão Kane” (filme de Orson Wells) e Walt Disney, Hefner era, na verdade, uma produção independente.

Ele, repetidamente, comparava sua vida a um filme romântico, em que estrelava usando pijamas de seda, dando festas intermináveis para pessoas famosas, ao mesmo tempo em que seduzia (às vezes casava) jovens mulheres atraentes, mesmo quando já tinha mais de 80 anos.

A primeira edição da “Playboy” foi publicada em 1953, quando tinha 27 anos, um pai recém-casado com, na versão dele, a primeira mulher com quem havia dormido.

O empresário recém havia deixado a casa de seus pais e abandonado um emprego na revista “Children’s Activities” (atividades infantis, em tradução livre).

Nas décadas seguintes, Hefner montou um império liderado pela revista, que chegou a ter uma circulação nos EUA de 5,6 milhões de exemplares em 1975.

Nos últimos anos, porém, com a concorrência da internet e a pornografia grátis, a “Playboy” viu seu público encolher -rodava em torno de 800 mil nos últimos anos.

Em 2015, em uma tentativa de conquistar um outro público, a revista decidiu abandonar as fotos de mulheres nuas em suas páginas nos EUA, dizendo que tinham ficado obsoletas. À época, a publicação estava sob pressão de mulheres que consideravam a publicação de fotos nuas uma prática ofensiva e degradante.

No entanto, em fevereiro de 2017, a revista anunciou que traria de volta o nu. A decisão foi tomada por Cooper Hefner, diretor criativo da “Playboy” e filho do criador.

Além de Cooper, ele tinha três filhos, Christie, David e Marston. Desde 2012, era casado com Crystal Harris, 31, sua terceira mulher.

Folha de S. Paulo

26/09/2017 11:40

Maria castiga costa sudeste dos EUA e Lee sobe para categoria 2

A parte externa do furacão Maria, de categoria 1, castiga a costa sudeste dos Estados Unidos com fortes chuvas na Carolina do Norte, enquanto Lee se fortaleceu nesta madrugada nas águas do Atlântico e já é um ciclone de categoria 2, informou nesta terça-feira o Centro Nacional de Furacões (NHC).

Em seu último boletim, os especialistas do NHC indicam que Maria está a 305 quilômetros ao sudeste de Cabo Hatteras, na Carolina do Norte, e segue se aproximando do litoral dos EUA.

O ciclone, com ventos máximos sustentados de 120 quilômetros por hora se move em direção ao norte lentamente, a 11 quilômetros por hora, e se espera que perca ainda mais velocidade nas próximas horas.

Os meteorologistas preveem que Maria mudará de trajetória nesta quarta-feira rumo ao noroeste, o que o afastaria paulatinamente dos EUA.

Apesar da distância até o litoral, Maria é ainda um ciclone de grandes proporções, e seus ventos com força de furacão se estendem desde o seu centro até 165 km, e os ventos de tempestade tropical alcançam até 390 quilômetros.

No entanto, os especialistas preveem que o fenômeno se enfraquecerá nas próximas horas e pode regredir a tempestade tropical nesta quarta ou quinta-feira, longe assim da força de 280 km/hora que registrou quando devastou o Caribe, onde deixou um saldo de 50 mortos.

Por sua vez, Lee se fortaleceu nesta madrugada e seus ventos já alcançam os 155 quilômetros por hora, o que o transforma em um furacão de categoria 2 na escala Saffir-Simpson, que vai até 5.

Apesar da sua periculosidade, Lee segue em águas abertas do Atlântico e a previsão é que ele não afetará áreas habitadas até que vá perdendo força na próxima semana, quando deve se dissipar próximo à costa da Irlanda.

Exame

26/09/2017 10:37

Vulcão Agung entra em “fase crítica”; 75 mil são evacuados de região de Bali

O alerta de erupção do vulcão Agung na ilha de Bali, na Indonésia, entrou em “uma fase crítica” devida à sua crescente atividade sísmica e o número de evacuados da região aumentou para mais de 75 mil, disse nesta terça-feira (26) a Agência Nacional de Gestão de Desastres (BPBD, sigla em indonésio).

“O Monte Agung está agora em uma fase crítica. Mesmo com o nível de alerta em 4 (máximo) desde sexta-feira, não há certeza de que o vulcão entrará em erupção”, disse o diretor de informação da BPBD, Sutopo Purwo Nugroho.

“A atividade vulcânica continua aumentando”, acrescentou Nugroho, através de um comunicado.

O posto de observação do monte Agung registrou, apenas na segunda-feira (26), 547 terremotos vulcânicos superficiais, um número que quadruplicou desde a última sexta-feira quando foram sentidos 119, o que, juntamente com outros parâmetros, corrobora a hipótese de que a magma está em ascensão.

A BPBD acredita que cerca de 80 mil moradores vivem dentro da área de segurança estabelecida em um raio de 12 quilômetros ao redor da cratera, no distrito de Karangasem, no leste da ilha.

As pessoas deslocadas foram distribuídas em mais de 350 refúgios em nove distritos da região e as autoridades tentam retirar parte do gado que é a subsistência da população da área afetada.

Operários da Cruz Vermelha da Indonésia colocavam, ontem, cartazes de advertência na entrada do perímetro e ofereciam assistência médica para as pessoas que estão nos templos, escolas e edifícios governamentais que servem de refúgios improvisados.

Bali é o principal destino turístico da Indonésia com visita mensal de aproximadamente 200 mil turistas estrangeiros, segundo dados oficiais.

Agência Brasil

26/09/2017 09:52

‘Guerra’ entre EUA e Coreia do Norte: devemos nos preocupar?

O governo norte-coreano acusou Donald Trump de “declarar guerra” e afirmou que tem o direito de derrubar bombardeiros americanos que sobrevoam seu território. Na semana passada, na 72ª Assembleia Geral da ONU, o presidente dos EUA havia ameaçado “destruir totalmente” a Coreia do Norte se seu país for “forçado a defender-se ou a defender seus aliados”.

O ministro das Relações Exteriores norte-coreano, Ri Yong-ho, disse que o regime poderia atingir os aviões americanos mesmo que eles não estivessem em seu espaço aéreo, já que os Estados Unidos “foram os primeiros a declarar guerra”. Em resposta, o Pentágono, sede do Departamento de Defesa dos EUA, disse que Pyongyang deve parar com as provocações, e a Casa Branca chamou de “absurda” a afirmação.

O comentário de Rio Yong-ho foi uma resposta ao tuíte de Trump dizendo que nem ele nem o líder Kim Jong-un “estariam aqui por muito mais tempo” se continuassem com as ameaças aos EUA. O presidente, por sua vez, respondia ao sexto teste nuclear da Coreia do Norte, que também havia ameaçado disparar mísseis para o território americano de Guam e dito que pretendia testar uma bomba de hidrogênio no oceano Pacífico.

Tudo isso em meio a relatos de que Pyongyang pode ter finalmente conseguido miniaturizar uma arma nuclear que poderia caber dentro de um míssil intercontinental – uma perspectiva há muito temida pelos EUA e seus aliados asiáticos.

Estaríamos realmente mais perto de um conflito militar? Especialistas dizem que não é preciso entrar em pânico ainda. Eis o porquê:

1. Ninguém quer guerra

Esta é uma das informações mais importantes de se manter em mente. Uma guerra na península coreana não serve aos interesses de ninguém. (mais…)

25/09/2017 08:32

Sobreviventes de terremoto de 1985 revivem pânico no México

Ele olhava contrariado as paredes tortas de seu prédio. Uma hora antes, Elías Téllez preferiu ficar em casa e ignorar mais um alarme sísmico que despertou os moradores da Cidade do México. Foi só um susto na ressaca do tremor de 7,1 graus de magnitude que matou 305 pessoas no país, mais de metade delas na capital, há uma semana.

“Não dá nem um minuto. Para que correr? É o tempo de se vestir e tudo já veio abaixo”, dizia o engenheiro de 65 anos, numa rua de Roma, o bairro nobre do centro da metrópole mexicana que foi um dos pontos mais afetados pelo tremor. “Nunca saio. É mais seguro ficar em casa.”

Essa calma, ou resignação, tem raiz histórica. Téllez é um dos muitos sobreviventes do terremoto de 19 de setembro de 1985 que ainda moram no mesmo endereço em que foi pego pela catástrofe de três décadas atrás, quando 10 mil pessoas perderam a vida.

“Sempre que há qualquer tremor, a gente fica muito nervoso”, dizia Téllez, que esperava um inspetor do governo para vistoriar os estragos em seu apartamento. “O medo é latente, mas minha consciência diz que, se em 1985 não aconteceu nada, agora também não vai.”

Nada, no caso, é relativo. Ele não se esquece de sentir que a cidade “navegava sobre ondas e depois foi espancada com marteladas” no abalo anterior. E dá detalhes de como ruíram os prédios na mesma rua Tonalá e as estratégias de recuperação -as torres mais altas foram cortadas, eliminando os andares de cima e preservando só o térreo.

Sua vizinha, Yolanda Vargas, também tem lembranças vívidas de 1985. “Juntaram todos os cadáveres do bairro na esquina, onde fica o banco”, conta. “O cheiro era fortíssimo. Foi uma tragédia.”

Mas isso não impediu que ela tivesse seus seis filhos ali. “Se um terremoto for me pegar, vai me pegar em qualquer lugar”, ela diz. “Sei que o prédio está bem danificado, mas minha cabecinha diz que a construção é pesada demais para se mexer depois de tudo que aguentou. Vivemos com medo, correndo riscos, mas não temos para onde ir. É uma psicose tremenda.”

Esse estado mental, ao longo dos anos, também molda o que os mexicanos chamam de cultura de terremoto, um conhecimento de movimentos de placas tectônicas que num país onde o chão treme o tempo todo é menos coisa de nerds da geologia e mais questão de sobrevivência.

“Em 1985, foi um terremoto mesmo seguido de uma réplica forte”, diz sua filha, Leticia, na época com 26 anos. “Mas esse último mudou nossas vidas, porque é um tremor atrás de tremor atrás de tremor. Isso faz com que a gente se pergunte o tempo todo o que está acontecendo.”

Sentada diante da papelaria que abriu na praça Rio de Janeiro ali perto, bem antes do terremoto de 32 anos atrás, María de Álvarez y Haces explica a diferença entre o tremor de antes e o de agora fazendo gestos com as mãos.

Um terremoto oscilatório, ela diz roçando as palmas na horizontal, significa que a terra se mexe debaixo dos pés como uma esteira de academia. A modalidade trepidante, a do último tremor, é quando tudo chacoalha para cima e para baixo, e suas mãos sobem e descem frenéticas.

“Ele começou oscilatório, o chão levantava e afundava, e depois ficou trepidante”, ela diz, sobre o abalo de 1985. “O prédio ao lado cuspia todas as suas janelas, as louças, as cadeiras, as xícaras, tudo que você imaginar.”

Esse mesmo prédio ficou dois anos desabitado. Foi restaurado depois, mas sofreu fortes abalos na semana passada, ameaçando desabar, para o desespero de María Teresa López, freira que dirige um colégio ao lado.

Mostrando o relatório da Defesa Civil atestando que a escola estava em perfeitas condições depois do terremoto mais recente, López lembrou que, em 1985, a situação foi “mais caótica”.

“Não havia comunicação, a torre de televisão caiu e nem o presidente podia falar”, lembra. “Agora tem a internet, e as pessoas são resgatadas chamando pelo celular.”

Essa mesma tecnologia, no entanto, também torna tudo mais histérico. “Vemos tudo em tempo real”, dizia Germán Ramírez, que viveu os dois terremotos, a uma quadra dali. “Agora as dimensões são bem mais exageradas.”

Essa elasticidade dos fatos em tempos de “fake news”, ou “coisas que viram lendas”, nas palavras de Ramírez, explica o furor em torno de Frida Sofía, menina que nunca existiu, mas que estaria presa nos escombros de escola.

Lendas ou não, as histórias fantásticas dos terremotos que não saem da cabeça dos mexicanos acabam evaporando com o tempo. “É uma triste realidade, porque quando as pessoas esquecem vão afrouxando as regras de construção”, diz López, a freira. “A memória aqui é frágil.”

Folha de S. Paulo

22/09/2017 09:47

Foto:KCNA

Coreia do Norte ameaça detonar bomba de hidrogênio no Pacífico

O ministro de Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Yong-ho, disse hoje (22) que o país poderia testar uma bomba nuclear de hidrogênio no Oceano Pacífico, ação que faz parte da resposta de “alto nível” prometida pelo presidente Kim Jong-un às ameaças dos Estados Unidos.

“Poderá ser a mais poderosa detonação de uma bomba H no Pacífico”, disse o chanceler à imprensa da Coreia do Sul num hotel em Nova York, onde participa da Assembleia-Geral da ONU.

As declarações foram dadas em uma resposta sobre a mensagem do líder norte-coreano publicadas pouco antes. Kim Jong-un afirmou em comunicado divulgado pela agência de notícias estatal KCNA que Trump pagará muito caro por seu “excêntrico” discurso na ONU, no qual ameaçou “destruir totalmente” a Coreia do Norte.

O chefe da diplomacia norte-coreana acrescentou que, de qualquer modo, as medidas precisam ser ordenadas por Kim Jong-un, segundo as declarações divulgadas pela agência sul-coreana Yonhap.

No comunicado divulgado pela KCNA mais cedo, o líder disse que Trump insultou a Coreia do Norte e que teria uma resposta à altura. Além disso, Kim Jong-un chamou o presidente americano de “senil” e afirmou que o republicano é “mentalmente perturbado”

Em discurso na Assembleia-Geral da ONU na última terça-feira, Trump alertou que, se os Estados Unidos forem forçados a se defenderem ou a um de se seus aliados, não restará opção a não ser “destruir totalmente a Coreia do Norte”.

Agencia Brasil

22/09/2017 09:04

Foto: Carlos Sandoval/Mayke Moraes/@soumochileiro

Vista aérea revela danos causados por terremoto que matou 273 pessoas no México

Uma vista aérea revela hoje (22) a magnitude do dano sofrido por dezenas de edifícios destruídos e o esforço dos socorristas para encontrar sobreviventes após o forte terremoto da última terça-feira na Cidade do México.

Os edifícios que desabaram ficaram rodeados por dezenas de construções, que estão isoladas por precaução e conseguiram resistir ao terremoto, que deixou 273 mortos e mais de 100 desaparecidos.

Ao redor das feridas abertas pelo segundo terremoto que ocorre em um 19 de setembro na Cidade do México, a vida foi afetada pelo trabalho das equipes de resgate e de voluntários para encontrar as pessoas presas sob escombros.

O colégio Enrique Rébsamen, no sul da capital mexicana, tornou-se por algum tempo o símbolo da tragédia com um saldo de 19 crianças e seis adultos mortos. Ali, 11 menores de idade foram resgatados com vida.

Um complexo de 14 edifícios residenciais na movimentada estrada de Tlalpan foi completamente desalojado para ser avaliado depois que em um deles, de cinco andares, desabou sobre outro.

Dois edifícios desabaram em áreas de alta densidade populacional, as zonas Del Valle e Roma. Em torno destas construções, outros prédios ficaram em pé, como “testemunhas mudas” do terremoto.

Do ar, os voluntários se distinguem por seus grandes números, tanto pelos casacos de cor laranja e seus capacetes de proteção, quanto para a ordem em que eles continuam trabalhando.

O terremoto provocou o desabamento de 38 edifícios e as autoridades mexicanas dizem que os serviços de resgate não vão parar enquanto houver chances de encontrar sobreviventes.

O terremoto deixou pelo menos 273 mortos, 137 na Cidade do México, 73 em Morelos, 43 em Puebla, 13 no Estado do México, 6 em Guerrero e 1 em Oaxaca.

22/09/2017 08:19

Foto: KCNA/DPA/Agência Lusa

Líder norte-coreano diz que Trump pagará muito caro por ameaças ao país

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, afirmou hoje (22) que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pagará muito caro por seu “excêntrico” discurso na Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), no qual ameaçou destruir totalmente o país asiático. A informação é da Agência EFE.

“Estou pensando agora em que resposta ele estaria esperando quando permitiu que essas excêntricas palavras saíssem de sua boca”, afirmou Kim em comunicado divulgado em inglês pela agência de notícias norte-coreana KCNA.

“Agora, Trump insultou a mim e ao meu país diante dos olhos do mundo e fez a mais feroz declaração de guerra da história, de que ele destruiria a República da Coreia do Norte”, completou Kim, retribuindo as ameaças na sequência. “Definitivamente, domarei com fogo esse americano senil mentalmente perturbado”, afirmou Kim Jong-un.

Pouco depois de a imprensa norte-coreana ter publicado as palavras do líder, o ministro das Relações Exteriores, Ri Yong-ho, comentou em Nova York, onde participa da Assembleia Geral da ONU, que a resposta à qual Kim se refere poderia ser o lançamento de uma bomba nuclear no Oceano Pacífico como teste. “Poderia se tratar da mais poderosa das detonações de uma bomba H no Pacífico”, disse o ministro.

Os contínuos testes balísticos e nucleares feitos pelo governo norte-coreano, que já valeram duas séries de sanções da ONU contra o país só em 2017, e o tom beligerante de Trump elevaram a tensão na região neste ano.

A crise foi um dos assuntos mais debatidos da Assembleia-Geral, onde o ministro de Relações Exteriores da Coreia do Norte fará discurso neste sábado (23).

Agência Brasil

Dinarte Assunção

Biografia Dinarte Assunção é jornalista formado pela UFRN. Atuou em redações como repórter de cotidiano, economia e política. Foi comentarista político da TV Ponta Negra. Atualmente é reporter do Portal No Ar e compõe a equipe do Meio Dia RN, na 98 FM. É autor do livro Sobre Viver - Como Venci a Depressão e as Drogas. Nas horas vagas, assa panquecas.

Descrição Ponto ID é um blog para noticiar o que importa. E nada mais.