Notícias com a categoria "economia"

26/09/2017 11:27

Faccionistas desmentem versão de dependência da Guararapes

para o portalnoar.com.br

O presidente da Associação Seridoense de Confecções (Asconf), Zeca Araújo, defendeu em entrevista ao portalnoar.com que é uma falácia argumentar que a cadeia produtiva da região tem relação de dependência com a Guararapes e que a empresa obriga as facções a alguma medida produtiva. Ele criticou a iniciativa do Ministério Público do Trabalho (MPT), que sugere a absorção dos colaboradores das facções pela empresa controladora da Riachuelo.

“O Pró-Sertão surgiu em 2013. Desde 2007, eu tenho minha facção têxtil. Desde lá estou organizado com as questões trabalhistas. Pago tudo em dia. Existíamos antes da relação com a Guararapes. E não foi ela que veio aqui. Fomos nós que fomos bater à sua porta, e insistentemente”, revelou o presidente da Asconf.

Segundo o seu relato, em 2010, as facções estavam atravessando dificuldades para manter parcerias. Foi quando surgiu a ideia de procurar a Guararapes.

“Fomos insistentemente à empresa. Depois de tanto esforço, foi criado o grupo para o estudo de viabilidade econômica, do qual participaram o Governo do Estado, a Fiern, o Senai, o Sebrae e a Asconf. Chegamos a um denominador comum, pelo qual a Guararapes pagaria pelo tempo de produção da peça. Isso foi apresentado à empresa e ela topou. Não foi o contrário. O preço não veio de lá para cá”, esclareceu Araújo.

O MPT alega que as facções não têm possibilidade de novas parcerias porque são obrigadas a produzir em máquinas específicas para as roupas da Riachuelo. Araújo rebate com números.

“Mais de 60% do que produzo é para outros parceiros, e não a Riachuelo”, cravou.

C&A

Em entrevista ao portalnoar.com, o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae, Zeca Vieira, revelou que teme que as tratativas abertas com a C&A fracassem pelo ambiente de insegurança causado pela ação do MPT.

Nesta terça, Araújo revelou sua facção está em negociação aberta com a Generale, fábrica que fornece para a C&A.

“Na semana passada, uma gerente de produção veio de São Paulo nos visitar e perguntou sobre essa questão da disputa da Guararapes. Esperamos não ter prejuízo com novas parceiros”, revelou o faccionista.

26/09/2017 10:50

Foto: Arquivo/Agência Brasil

Procon RN fiscaliza abusos nos reajustes do gás de cozinha

O governo federal anunciou na última segunda-feira (25) o novo aumento no preço do botijão de 13kg do gás de cozinha. A elevação do preço determinada pela Petrobras foi de 6,9% e já deve valer a partir desta terça feira (26). No Rio Grande do Norte, o novo valor deve variar entre R$ 60 e R$ 68.

No dia 6 de setembro, o aumento anterior foi de 12,2%. Nos dois meses passados os reajustes foram de 6,5% 6,7%. O aumento acumulado nos últimos meses já chega 32,3% e mais um reajuste no preço, já é esperado para o dia 5 de outubro.

Diante dos freqüentes aumentos e da livre concorrência vigente, o Procon RN tem agido no sentido de inibir abusos e proteger o consumidor, em acordo com o artigo 39, V, do Código de Defesa do Consumidor. O comerciante deve apresentar aos fiscais do Procon Estadual as notas fiscais da compra dos botijões e justificar o aumento aplicado ao consumidor final.

Os consumidores que se sentirem lesados devem apresentar prova da compra do produto (nota fiscal e/ou fotografia do anúncio) ao fazer a denuncia formal num dos postos ao Procon RN : 3 situados em Natal ( Sede central na Ribeira, Via Direta e no Shopping Estação. 1 em Mossoró, na Central do Cidadão, na Rodoviária e também nos municípios de Açu, Parnamirim, Macaiba, São José do Mipibú, Nova Cruz, Santa Cruz, Currais Novos, Caicó, Apodi e Pau dos Ferros. O Procon RN foi reinaugurado em Caraúbas e Alexandria e brevemente vai atender em postos de Macau, Parelhas e Canguaretama.

Para Cyrus Benavides, Coordenador Geral do Procon Estadual, o órgão “tem um papel fundamental para que não haja aumento manifestamente excessivo para o consumidor. Assim como o Procon RN autua postos de combustíveis que aumentem exorbitantemente o valor, vamos combater toda abuso nas revendas de gás de cozinha. É essencial também que o consumidor faça uma pesquisa de preços em 3 estabelecimentos, antes de efetuar a compra”.

26/09/2017 10:02

Caixa tem lucro líquido de R$ 4,1 bilhões no primeiro semestre

A Caixa Econômica Federal registrou lucro líquido de R$ 4,1 bilhões no primeiro semestre de 2017, com crescimento de 69,2% em relação ao mesmo período do ano passado. No segundo trimestre, o lucro líquido totalizou R$ 2,6 bilhões, com avanços de 62,8% em 12 meses e de 73,9% na comparação com o primeiro trimestre deste ano.

Segundo o banco, o aumento no resultado foi gerado pelo crescimento da margem financeira, pela redução nas despesas com provisão para devedores duvidosos, por avanço nas receitas com prestação de serviços e no controle das despesas administrativas e de pessoal.

Em junho, a carteira de crédito da Caixa alcançou saldo de R$ 715,9 bilhões, um avanço de 3,5% em 12 meses e participação de 22,8% no mercado. O crescimento das operações de habitação, saneamento e infraestrutura e crédito consignado foram os principais responsáveis pela evolução da carteira no período, disse o banco.

O índice de inadimplência encerrou o semestre com redução de 0,7 ponto percentual em 12 meses, alcançando 2,51%, permanecendo abaixo da média de mercado de 3,74%.

As receitas com prestação de serviços totalizaram R$ 6,2 bilhões no trimestre, um avanço de 11,3% em relação ao segundo trimestre de 2016. No semestre, as receitas com serviços cresceram 12,5%, totalizando R$12,2 bilhões. Os principais destaques foram as receitas de crédito, administração de fundos de investimento e convênios e cobrança que cresceram, respectivamente, 13,3%, 16,9% e 21,5% em 12 meses.

De acordo com o banco, as despesas de pessoal alcançaram R$10,7 bilhões no semestre, com aumento de 6,4% em 12 meses, desconsiderando o impacto do Plano de Demissão Voluntária Extraordinária (PDVE) feito no primeiro trimestre.

Crédito habitacional

A carteira imobiliária alcançou saldo de R$ 421,4 bilhões, um aumento de 7% em 12 meses. Os créditos concedidos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) representam R$ 221,9 bilhões. Já as operações de crédito com recursos da Caixa, pelos Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo, apresentam saldo de R$ 199,5 bilhões. A Caixa ganhou 1,3 ponto percentual de participação no mercado imobiliário, mantendo a liderança com 68,1% de participação.

Agência Brasil

26/09/2017 07:58

Foto: Arquivo/Agência Brasil

Preço do botijão de gás tem reajuste de 6,9% a partir de hoje

O Grupo Executivo de Mercado e Preços (Gemp) da Petrobras decidiu reajustar em 6,9%, em média, os preços no mercado do gás liquefeito de petróleo (GLP) para uso residencial vendido em botijões de até 13 kg (GLP P-13). A alta entra em vigor a zero hora desta terça-feira (26) e se restringe a este produto.

Segundo a companhia, o ajuste anunciado foi aplicado sobre os preços praticados sem incidência de tributos. Pela estimativa da Petrobras, se a elevação for repassada integralmente aos preços ao consumidor, o preço do botijão de GLP P-13 pode ter alta, em média, de 2,6% ou cerca de R$ 1,55 por botijão.

A empresa destacou que o cálculo se confirmará se forem mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de tributos.

De acordo com a Petrobras, para definir a correção, o Gemp considerou que o mercado de GLP ao longo do mês de agosto permaneceu pressionado por baixos estoques e que a proximidade do inverno no hemisfério Norte aumenta a demanda pelo produto, por isso, o ajuste era necessário.

Conforme a estatal, o reajuste segue a variação de preços do mercado internacional registrada em agosto conforme política já anunciada pela companhia

Nota

O Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás) informou, em nota, que o reajuste vai oscilar entre 6,4% e 7,4%, de acordo com o polo de suprimento. A entidade afirma que a correção aplicada não repassa integralmente a variação de preços do mercado internacional.

“Com isso, o Sindigás calcula que o preço do produto destinado a embalagens até 13 quilos ficará 15% abaixo da paridade de importação, o que inibe investimentos privados em infraestrutura no setor de abastecimento”, diz a nota.

Agência Brasil

25/09/2017 11:47

Briga do MPT com Guararapes ameaça negociação com C&A

para o portalnoar.com.br

O presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae, José Vieira, revelou em entrevista ao portalnoar.com que o órgão está preocupado com o ambiente hostil criado a partir da ação do Ministério Público do Trabalho contra o setor têxtil do Estado, já que a contenda vem no momento em que há tratativa com gigantes do setor, como a C&A e Hering para que instalem no Rio Grande do Norte.

“Essa disputa é muito preocupante porque cria um ambiente de insegurança jurídica. E isso vem no momento em que negociamos a vinda de empresas como a C&A, a Hering…”, revelou Vieira.

Segundo ele, no entanto, não houve manifestações negativas por parte da empresa a partir da disputa entre o MPt e o grupo Guararapes.

“Não houve nenhuma manifestação nesse sentido. Mas estamos muito preocupados que essa briga possa afetar a atração de novos investimentos. Não se trata de uma questão contra a Guararapes, mas contra o setor têxtil”, defendeu Vieira.

As facções têxteis que operam no interior do RN são fornecedoras de peças para empresas maiores, como a Guararapes. Com uma lei sobre terceirização em vigor, que fortalece o vínculo entre facções e gigantes do setor, o Sebrae teme que a letra de lei não seja respeitada.

25/09/2017 11:13

Investir em bitcoin e outras moedas digitais requer cuidado e sangue frio

Os sucessivos recordes da Bolsa brasileira neste ano têm disputado atenções com outro nome que vive aparecendo no noticiário, seja por sua expressiva valorização, pela forte volatilidade ou por escândalos envolvendo corretoras e outros participantes desse novo nicho: o bitcoin.

No Brasil, casas de análise têm publicado a seus clientes relatórios destacando o potencial de ganho da mais popular moeda digital já criada. A euforia se baseia na valorização de 276% da divisa no ano.

Como comparação, a Bolsa brasileira acumula alta de 25% no mesmo período. A Usiminas, ação com melhor desempenho dentro do Ibovespa —dos papéis mais negociados—, sobe 132%.

Os números são de encher os olhos, mas comprar bitcoin e outras criptomoedas não é para qualquer um. Uma das razões é a forte oscilação que a moeda sofre. Quedas e altas diárias na casa dos dois dígitos não são raras. Essa volatilidade —em especial para baixo— pode ser um teste para quem tem aversão a perder dinheiro, mesmo que no curto prazo.

“É para quem é ultra-agressivo em seus investimentos. Deve ser encarado como uma estratégia de diversificação extrema”, afirma o planejador financeiro Janser Rojo, da associação Planejar. (mais…)

25/09/2017 09:31

Assalariado leva 19 anos para obter o que super-ricos ganham em um mês

Um trabalhador que vive com um salário-mínimo teria que trabalhar 19 anos para obter o que os considerados super-ricos recebem em apenas um mês. A conclusão é do relatório “A Distância Que Nos Une”, que a organização não governamental Oxfam Brasil divulga nesta segunda-feira, com dados sobre a desigualdade socioeconômica no país.

Relatório apresentado pela divisão mundial da Oxfam, no início deste ano, apontava que as oito pessoas mais ricas do mundo acumulavam riqueza equivalente aos 50% mais pobres do planeta. No Brasil, segundo a Oxfam, a riqueza é ainda mais concentrada: apenas seis pessoas do topo dessa pirâmide têm nas mãos o mesmo que os 50% mais pobres.

Os dados divulgados pela Oxfam no início do ano foram criticados por economistas, que contestavam o método adotado pela organização. A riqueza é medida como o patrimônio de um indivíduo, menos suas dívidas. Segundo os críticos do estudo, indivíduos como um estudante graduado por Harvard, que contraiu dívidas para pagar seus estudos e não possui patrimônio, teria uma riqueza negativa e inflaria o número de pobres aferido pelo estudo.

A Oxfam rechaça as críticas. Segundo a ONG, embora algumas pessoas que não sejam exatamente pobres sejam enquadradas nesse grupo por terem dívidas líquidas, esse contingente é insignificante do ponto de vista demográfico.

Para Kátia Maia, independentemente da natureza e das consequências do endividamento entre os mais pobres, a situação de extrema concentração de riqueza observada na economia global é uma realidade. E é sobre esse panorama que o estudo divulgado hoje trata.

— O momento de lançar o relatório é para chamar a atenção a isso: que a desigualdade no Brasil não é inevitável, pode ser resolvida. Não podemos mais criar cidadãos de primeira e de segunda categoria — diz a coordenadora do estudo.

Jornal O Globo

25/09/2017 08:45

‘Tendência’ é que horário de verão seja mantido, diz líder do governo na Câmara

O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), disse neste domingo (24), após participar de uma reunião com o presidente Michel Temer, ministros e parlamentares da base no Palácio do Jaburu, em Brasília, que a “tendência” é que o governo mantenha o horário de verão em vigor neste ano.

De acordo com Ribeiro, o horário de verão foi um dos temas discutidos no encontro. Na semana passada, a Casa Civil da Presidência confirmou que o governo avalia a “conveniência” de manter o programa devido ao baixo impacto na economia de energia.

“A avaliação de todos que participaram da reunião é uma avaliação no sentido de se manter o horário [de verão], mas essa decisão será tomada posteriormente pelo presidente e pelo ministro da pasta [de Minas e Energia]”, disse Ribeiro a jornalistas após deixar o Jaburu.

“Nós fizemos uma avaliação de que a tendência é que isso [horário de verão] se mantenha”, completou ele.

Se nenhuma mudança for anunciada nas próximas semanas, o horário de verão deve entrar em vigor no dia 15 de outubro, em dez estados e no Distrito Federal. Nessas regiões, o relógio deve ser adiantado em uma hora até o dia 18 de fevereiro de 2018.

G1

22/09/2017 10:15

Economia com horário de verão cai em 4 anos, mas especialistas defendem medida

A economia gerada ao governo federal com a aplicação do horário de verão caiu nos últimos quatro anos. Entre 2013 e 2016, o montante passou de R$ 405 milhões para R$ 159,5 milhões. No último ano, o horário ocorreu entre 16 de outubro de 2016 e 18 de fevereiro de 2017. Mesmo assim, especialistas defendem que “pouco é melhor que nada” e que a manutenção da medida também ajuda a evitar apagões.

A ideia de extinguir o horário de verão no Brasil – em estudo há pelo menos seis meses no Ministério de Minas e Energia – deve ser analisada nas próximas semanas pelo presidente Michel Temer, com base em notas técnicas que apontam “perda de efetividade” na mudança de horário.

Se nada for anunciado, o horário de verão deve entrar em vigor no dia 15 de outubro, em dez estados e no Distrito Federal. Nessas regiões, o relógio deve ser adiantado em uma hora até o dia 18 de fevereiro de 2018.

Economia acumulada

De acordo com os dados divulgados pelo Ministério de Minas e Energia nos últimos anos, o Brasil economizou pelo menos R$ 1,4 bilhão desde 2010 por adotar o horário de verão. A metodologia do cálculo variou ao longo desse tempo, e o G1 aguardava os dados atualizados do ministério até a publicação desta reportagem.

Até a noite de quinta (21), a pasta tinha enviado apenas a ata da última reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), que aponta a necessidade de “aprofundar os estudos” sobre a manutenção do horário de verão.

Também procurados pelo G1, o Operador Nacional do Setor Elétrico (ONS) e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) afirmaram que estudos ou informações sobre o horário de verão serão divulgados apenas pelo ministério. A Casa Civil confirmou que “está avaliando a conveniência ou não do tema horário de verão”, mas também disse que ele está com o ministério.

Segundo números já divulgados, entre 2010 e 2014, o aproveitamento da luz do sol resultou em economia de R$ 835 milhões para os consumidores – média de R$ 208 milhões por “temporada”. Em 2013, o alívio aos cofres da União foi da ordem de R$ 405 milhões. Entre 2014 e 2015, a previsão era de poupar mais R$ 278 milhões – o resultado final, em reais, não foi divulgado pela pasta.

Entre 2015 e 2016, a economia foi de R$ 162 milhões, e no período seguinte, caiu para R$ 159,5 milhões. Por esses dados, de fato, é possível notar uma queda na economia. No entanto, especialistas ouvidos pelo G1 indicam que esses números também foram influenciados pela crise econômica.

“Desde 2015, de fato, houve uma queda [de consumo e de economia] por causa da crise. Mas se o país voltar a crescer, o consumo também volta. A gente está muito longe ainda de convergir o consumo, de estabilizar essa curva.

O país tem um consumo individual de eletricidade muito baixo”, afirma o presidente da consultoria Thymos, João Carlos Mello.

Há dois anos, o Ministério de Minas e Energia chegou a divulgar que a adoção do horário de verão economizaria cerca de R$ 7 bilhões aos cofres públicos. Isso porque, caso não entrasse em vigor no período 2015-2016, o governo teria de investir o montante na expansão da capacidade elétrica do país, como impulsionar o funcionamento das usinas térmicas – tipo mais caro de geração de energia.

Entre 2010 e 2015, as estimativas de economia em termos percentuais se mantiveram praticamente estáveis. A cada temporada, o horário de verão representa economia média de 0,5% no consumo de energia, chegando a 5% nos horários de pico. Essa energia poupada é suficiente para abastecer uma cidade como Brasília, com 2,8 milhões de habitantes, por até um mês. No Brasil, o horário de verão tem sido aplicado desde 1931/1932, com alguns intervalos.

(mais…)

22/09/2017 09:25

Sorteio da Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 35 milhões no sábado

No segundo sorteio da semana, mais uma vez, nenhum apostador acertou hoje (21) as seis dezenas da Mega-Sena, no sorteio na cidade paulista de Guararema. Com isso, a previsão do prêmio, que era de R$ 30 milhões na noite desta quinta-feira, passa para R$ 35 milhões no próximo sorteio, marcado para o sábado (23).

Por causa da Primavera, esta semana a Caixa Econômica optou por um calendário especial para a Mega-Sena, trocando os sorteios que ocorrem tradicionalmente às quartas e sábados, para terça (19), hoje e sábado (23).

As dezenas sorteadas hoje no concurso 1970 foram: 05 -10 -18 -24 -39 – 52. De acordo com a Caixa Econômica Federal, 87 apostas acertaram cinco dezenas e vão lavar para casa R$ 25.762,24 cada. Já a quadra teve 6.153 teve vencedores, que têm direito a um prêmio de R$ 520,37 cada.

Agência Brasil

Dinarte Assunção

Biografia Dinarte Assunção é jornalista formado pela UFRN. Atuou em redações como repórter de cotidiano, economia e política. Foi comentarista político da TV Ponta Negra. Atualmente é reporter do Portal No Ar e compõe a equipe do Meio Dia RN, na 98 FM. É autor do livro Sobre Viver - Como Venci a Depressão e as Drogas. Nas horas vagas, assa panquecas.

Descrição Ponto ID é um blog para noticiar o que importa. E nada mais.