Notícias com a tag "pf"

15/08/2017 09:40

PF e Receita realizam operação contra lavagem de dinheiro

A Polícia Federal – em ação conjunta com a Receita Federal – cumpre hoje (15) mandados judiciais contra uma organização criminosa transnacional responsável pelos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. As empresas controladas pela organização movimentaram mais de R$ 5,7 bilhões de recursos ilícitos de 2012 a 2016.

Cerca de 300 policiais federais e 45 servidores da Receita Federal estão cumprindo 153 ordens judiciais expedidas pela 13ª Vara Federal de Curitiba, sendo dois mandados de prisão preventiva, 17 de prisão temporária, 53 condução coercitiva e 82 de busca e apreensão em várias cidades do Paraná, de São Paulo, do Espírito Santo, de Minas Gerais e Santa Catarina.

Segundo a PF, as investigações, que começaram em 2015, tiveram como alvo um “grupo criminoso composto de cinco núcleos interdependentes que utilizavam contas bancárias de várias empresas, em geral fantasmas, para receber vultosos valores de pessoas físicas e jurídicas interessadas em adquirir mercadorias, drogas e cigarros provenientes do exterior, especialmente do Paraguai”.

Agência Brasil

15/08/2017 08:34

PF cumpre 2 mandados de prisão e 9 de apreensão no RN

A Polícia Federal deflagrou nas primeiras horas desta terça-feira, 15, operação Anterus para apurar crimes de organização criminosa e obstrução da justiça que teriam sido cometidos pelo governador do Estado, Robinson Faria (PSD).

Cerca de 70 policiais cumprem 11 medidas judiciais –  duas de prisão e nove de busca e apreensão.

Os mandados foram expedidos pelo ministro Raul Araújo Filgo, da corte do Superior Tribunal de Justiça.

As manobras ilegais tinham por objetivo encobrir que fossem investigados atos do Governo do RN relativos ao desvio de recursos públicos por meio da inclusão de “funcionários fantasmas”, na folha de pagamento da Assembleia Legislativa entre os anos de 2006 até os dias atuais.

15/08/2017 08:15

PF cumpre mandado no prédio de Robinson Faria

A Polícia Federal esteve nas primeiras horas desta terça-feira, 15, no edifício onde moram o governador Robinson Faria, o deputado federal Fábio Faria e o prefeito Carlos Eduardo Alves.

Quatro viaturas chegaram ao edifício Enseada dos Corais por volta das 5h30, com as sirenes ligadas. Elas ficaram do lado de fora do prédio enquanto policiais adentraram no residencial.

Os policiais passaram pouco tempo no prédio. A presença deles no edifício deve ter sido para cumprimento de mandado de busca e apreensão. As informações dão conta de que as diligências aconteceram no apartamento do governador.

A reportagem tentou o contato com a Polícia Federal e também com a assessoria do Governo do Estado, mas as ligações não foram atendidas. Em breve, novas informações vão ser levadas ao ar.

Portal No Ar

09/08/2017 13:44

Foto: Aloisio Maurício/Fotoarena

Joesley alega que ‘não tinha como saber impacto da delação sobre o preço das ações’

O empresário Joesley Batista afirmou à Polícia Federal que ‘não tinha como saber’ a data da divulgação do acordo de delação premiada que fechou com a Procuradoria-Geral da República.

Joesley depôs nesta quarta-feira, 9, no inquérito da PF que investiga a venda de ações nos dias que precederam a notícia sobre o acordo e as aplicações no mercado de câmbio.

Os irmãos Joesley e Wesley Batista, principais acionistas do grupo e delatores da Lava Jato, teriam auferido ganhos extraordinários no mercado de compra e venda de dólares e ações do grupo quando o teor das delações dos executivos estava na iminência de ser conhecido.

“Eu não tinha como saber a data da divulgação nem a extensão do impacto sobre o preço das ações”, afirmou Joesley.

O empresário garantiu ‘regularidade’ das operações de venda de ações.

A delação dos Batista mergulhou o governo Michel Temer em sua pior crise política. As revelações de Joesley levaram o procurador-geral da República Rodrigo Janot a denunciar criminalmente o presidente por corrupção passiva no caso JBS. A acusação foi barrada na Câmara. Temer pediu a suspeição de Janot.

O suposto uso de informações privilegiadas teria assegurado às empresas dos Batista lucro extraordinário no mercado de dólares e ações com a divulgação do teor das delações.

A investigação foi aberta por solicitação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A delação de Joesley e dos outros executivos da JBS foi tornada pública no dia 17 de maio. Vinte e quatro horas depois, a Bolsa ferveu.

Na avaliação dos investigadores, as empresas do grupo lucraram na aquisição de US$ 2,8 bilhões e evitaram prejuízo de quase R$ 140 milhões.

Estadão

05/08/2017 08:34

Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil

PF aponta suposta fala de Cunha sobre propina: ‘Vai dar merda com Michel’

O relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, ministro Edson Fachin, recebeu da Polícia Federal relatório com transcrição de um diálogo de 2012 em que os então deputados federais Eduardo Cunha(PMDB-RJ) e Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) tratariam do recebimento de propina do empresário Joesley Batista, da JBS. Na troca de mensagens, é citado o nome de Michel Temer, então vice-presidente, como envolvido na negociação.

Segundo o diálogo que teria sido travado por Cunha e Alves, ambos presos atualmente, Temer ficaria potencialmente contrariado por perder parte do dinheiro de Joesley para outra ala do PMDB.

“Joes aqui saindo. Confirme dos 3 convites, 1 RN 2 SP”, relata a transcrição da PF sobre a mensagem supostamente enviada por Alves a Cunha.

“Joes” seria Joesley. E “convite”, propina, segundo o relatório. Ao que responde Cunha, segundo a transcrição: “Ou seja ele vai tirar o de sao paulo para dar a vc? Isso vai dar merda com michel.”

A troca de mensagens entre os peemedebistas foi extraída do celular de Eduardo Cunha. Segundo a interpretação dos agentes da PF, Cunha se refere a uma suposta insatisfação do então vice-presidente, que é do PMDB de São Paulo, com o direcionamento de parte do dinheiro para o partido no Rio Grande no Norte, controlado por Alves.

“A utilização do termo ‘convites’ pode ser uma tentativa de mascarar uma atividade de remessa financeira ilegal, já que, caso fosse um procedimento que obedecesse estritamente as normas legais, não haveria o porquê do uso deste termo”, afirma o relatório da PF, que se tornou público no sistema do STF.

O relatório faz parte de uma ação cautelar que corre no tribunal e tem Cunha e Alves como investigados, entre outros.

Folha de S. Paulo

03/08/2017 08:59

Polícia Federal deflagra Operação Rio 40 Graus

A Polícia Federal deflagrou no início na manhã de hoje (3) a Operação Rio 40 Graus que tem como objetivo desarticular um esquema criminoso envolvendo o pagamento de propina a servidores públicos nas esferas federal e municipal envolvendo as obras do BRT Transcarioca e o do Programa de Despoluição da Bahia de Jacarepaguá.

A Operação, que faz parta da nova fase da Lava Jato no Rio de Janeiro, é realizada em conjunto com o Ministério Público Federal e a Receita Federal. Segundo informações da Polícia Federal o pagamento se dava a partir de simulação de pagamentos fictícios de advocacia e entrega de valores em espécie desviados das obras acima citadas.

A operação envolve 76 policiais federais com cumprimento de nove mandados de prisão preventiva, um mandado de prisão temporária, três mandados de condução coercitiva e 18 mandados de busca e apreensão, expedidos pelo juiz da 7ª Vara Federal Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Marcelo Bretas.

A operação se desenrola no Rio de Janeiro nos bairros do Recreio, de  Jacarepaguá e da Barra da Tijuca, na zona oeste da capital; no centro da cidade; em Copacabana e Botafogo, na zona sul; e em Vila Isabel, Tijuca e Rocha, na zona norte, e em Jacarepaguá, zona oeste. No grande Rio, há operações em Niterói Boa Viagem, Icaraí, São Francisco, Itaipu, Fonseca e Camboinhas; e em São Paulo, no Recife e em Petrolina (PE).

Em nota, a Polícia Federal informa que as investigações tiveram início há cerca de oito meses e indicam o pagamento de pelo menos R$ 35,5 milhões em vantagens indevidas a autoridades públicas e servidores públicos municipais pertencentes ao grupo criminoso. Um dos alvos da Operação é  o ex-secretário municipal de obras da prefeitura do Rio Alexandre Pinto  que segundo informações iniciais foi preso em sua casa, em Jacarepaguá, na zona oeste.

Agência Brasil

26/07/2017 13:12

PF prende auditor da Receita e empresário acusados de fraude no Carf

A Polícia Federal (PF) prendeu nesta manhã (26), em São Paulo, o auditor da Receita Federal Eduardo Cerqueira Leite e o empresário Mário Pagnozzi, acusados de integrarem uma organização criminosa para fraudar decisões do Conselho Administrativa de Recursos Fiscais (Carf), conforme investigado pela Operação Zelotes.

Cerqueira e Leite são os únicos alvos de prisão preventiva entre as 11 pessoas que se tornaram réus, na última segunda-feira (24), no mesmo processo, acusadas de participarem de um esquema para beneficiar o Bank Boston, no Carf, a última instância de recurso administrativo contra cobranças tributárias.

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o suposto esquema de corrupção envolveu pagamento de propina para cancelar ou reduzir multas aplicadas ao banco. Em um dos casos, uma atuação tributária avaliada pela Receita Federal em aproximadamente R$ 600 milhões foi reduzida em 70%.

As prisões foram autorizadas pelo juiz federal Vallisney Oliveira, 10ª Vara Federal do Distrito Federal. Na decisão, ele disse que ambos representam risco “à ordem pública, à ordem econômica e à própria instrução” do processo.

Para o juiz, em liberdade e “com empresas e dinheiro ainda nas mãos de terceiros, os acusados Eduardo Cerqueira Leite e Mário Pagnozzi Júnior continuarão movimentando valores desconhecidos das autoridades, fazendo investimentos em nome de familiares e terceiros, além da possibilidade de poderem pressionar ou contatar os demais réus”.

Até o momento, a Agência Brasil não conseguiu contato com as defesas dos presos.

Agência Brasil

25/07/2017 09:46

PF cumpre mandados judiciais contra suspeitos de pedofilia em 14 estados

A Polícia Federal (PF) está cumprindo hoje (25) mandados judiciais dentro da segunda fase da Operação Glasnost, que combate a exploração sexual de crianças e o compartilhamento de pornografia infantil na internet. A ação é continuação da operação deflagrada em novembro de 2013, quando foram cumpridos 80 mandados judiciais, entre eles, 30 prisões em flagrante por posse de pornografia infantil. Foram ainda identificados e presos diversos abusadores sexuais, bem como resgatadas vítimas, com idades entre 5 e 9 anos.

De acordo com a PF, 350 policiais cumprem nesta terça-feira 72 mandados de busca e apreensão, três de prisão preventiva e dois de condução coercitiva. As ações ocorrem em 51 municípios do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Ceará, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Piauí, Pará e Sergipe.

A PF informa ainda que a investigação teve como base o monitoramento de um site russo. Ele era usado como “ponto de encontro” de pedófilos de vários países. As investigações identificaram centenas de usuários, brasileiros e estrangeiros, que compartilhavam pornografia infantil na internet, bem como diversos abusadores sexuais e produtores de pornografia infantil.

“Os investigados produziam e armazenavam fotos e vídeos de crianças, adolescentes e até mesmo de bebês com poucos meses de vida, muitos deles sendo abusados sexualmente por adultos, e as enviavam para contatos no Brasil e no exterior”, diz a nota da PF.

O nome da operação, Glasnost, faz referência ao termo russo que significa transparência. A palavra foi escolhida porque a maior parte dos investigados utilizava servidores russos para a divulgação de imagens de menores na internet e para contatos com outros pedófilos ao redor do mundo.

Agência Brasil

22/07/2017 09:58

PF diz que 175 mil pedidos de passaporte ficaram ‘represados’

A Polícia Federal informou nesta sexta-feira, 21, que no período de suspensão de emissão dos passaportes ‘foram represados cerca de 175 mil pedidos’.

A paralisação do setor da PF perdurou por três semanas, desde 27 de junho, por ‘insuficiência’ orçamentária. Nesta quinta-feira, 20, o governo comunicou o repasse de R$ 102 milhões para normalizar os serviços.

“Sobre o serviço de passaportes, a Polícia Federal informa que foi disponibilizado na tarde de hoje, 21, o crédito e o limite orçamentário referente às atividades de controle migratório e emissão de documentos de viagem”, informou a PF, em nota.

A partir desse repasse, destacou a PF, será reiniciado o processo de confecção das cadernetas, ‘sob responsabilidade da Casa da Moeda’.

“No período de suspensão, foram represados cerca de 175 mil pedidos, que passarão ser processados na ordem cronológica das solicitações.”

A PF assinalou que vai trabalhar em parceria com a Casa da Moeda ‘para que haja normalização da emissão de passaportes o mais breve possível’.

Estadão

22/07/2017 08:33

PF diz que Jucá, Renan e Sarney não obstruíram a Lava Jato

A Polícia Federal concluiu que o ex-presidente José Sarney e os senadores Romero Jucá (RR) e Renan Calheiros (AL), caciques do PMDB, não tentaram barrar a Operação Lava Jato. Em relatório ao Supremo Tribunal Federal sobre os áudios entregues pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, que gravou conversas com Sarney, Jucá e Renan, a PF sustenta que não há como comprovar o cometimento de crimes por parte do ex-presidente e dos senadores.

Nas reuniões com Machado – que fez delação premiada e ficou livre da prisão -, o tema predominante era o avanço da Lava Jato. Segundo a PF, ‘intenção’ não é obstrução de Justiça.

Nos diálogos, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) afirma ser necessário ‘mudar o governo para estancar a sangria’ e mencionava como ‘solução’, o então vice-presidente Michel Temer. À época, a ex-presidente Dilma Rousseff estava à beira do processo de Impeachment e o delator e o peemedebista falavam sobre as investigações. O então presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ressaltou a necessidade de regulamentar a delação premiada em conversa com Machado. Já Sarney disse prever que a delação da Odebrecht teria o efeito de uma ‘metralhadora ponto 100’.

A informação foi divulgada pelo repórter Marcelo Cosme, da Globo News, e confirmada pela reportagem do Estadão.

No relatório ao Supremo, a PF sugere um estudo mais aprofundado sobre os benefícios concedidos a Machado com a colaboração.

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA CASTRO KAKAY

“O relatório da Polícia Federal é de extrema importância porque foi desta delação (de Sérgio Machado) que originou o pedido de prisão do ex-presidente Sarney, o pedido de prisão do então todo-poderoso ministro Romeu Jucá que, por causa dessa delação perdeu o Ministério, e o pedido de prisão do ex-presidente do Senado (Renan Calheiros).”

“Ainda não estamos comemorando nada. É óbvio que estamos satisfeitos com o excelente trabalho da Polícia Federal e o pedido de arquivamento do inquérito diante da comprovação de que não há indícios sequer de obstrução de Justiça. Mas, a palavra final é do Ministério Público Federal. Vamos esperar que o Ministério Público se manifeste nesse sentido.”

“É muito interessante e oportuno discutir uma questão abordada no relatório da Polícia Federal para que o delator (Sérgio Machado) perca os benefícios. No momento em que se discute a extensão da delação acho extremamente relevante que se discuta isso. Porque ele (Sérgio Machado) fez gravação ilegal, gravação dirigida, onde tentava levar as pessoas (os senadores e o ex-presidente) a falar o que ele queria que falassem.”

“Infelizmente, essas gravações tiveram repercussão muito séria na vida das pessoas. Este é o ponto que deve ser enfrentado agora.”

Estadão

Dinarte Assunção

Biografia Dinarte Assunção é jornalista formado pela UFRN. Atuou em redações como repórter de cotidiano, economia e política. Foi comentarista político da TV Ponta Negra. Atualmente é reporter do Portal No Ar e compõe a equipe do Meio Dia RN, na 98 FM. É autor do livro Sobre Viver - Como Venci a Depressão e as Drogas. Nas horas vagas, assa panquecas.

Descrição Ponto ID é um blog para noticiar o que importa. E nada mais.